‘Operação Decantação’ faz buscas em endereços do ex-governador de Goiás José Eliton | RP

A Polícia Federal deflagrou, na manha desta quinta-feira (28), a segunda fase da operação Decantação que investiga desvios na Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago). Estão sendo cumpridos cinco mandados de prisão temporária, oito de busca e apreensão, além do sequestro de 65 imóveis avaliados em cerca de R$ 35 milhões e o afastamento da função pública de dois servidores da Saneago.

O ex-governador José Eliton é um dos alvos na operação e a PF faz buscas nesta manhã em endereços ligados ao ex-governador.

A segunda fase da Decantação apura supostos desvios no Governo de Goiás que teriam acontecido durante a gestão de José Eliton, que assumiu em abril de 2018 o lugar de Marconi Perillo.

De acordo com informações preliminares, os agentes apreenderam cerca de R$ 800 mil na casa da filha de um ex-chefe de gabinete do então governador Marconi Perillo, além de oito armas de fogo em outros endereços ligados aos investigados.

A assessoria do ex-governador José Eliton afirmou que ele está em Posse, em audiência com o advogado, mas retorna hoje à tarde para Goiânia. Segundo informações, a PF cumpriu mandado de busca e apreensão no apartamento de Eliton na capital, em que foi apreendido um computador, usado por seu filho mais novo.

O ex-governador afirmou ainda que dará uma declaração assim que tiver acesso ao inquérito da continuação da Operação Decantação.

Operação

Na análise, foi constatado que três empresas, de um único dono, foram beneficiadas em contratos junto à companhia de saneamento, mesmo com impedimentos fiscais e não sendo especialistas na prestação dos serviços demandados, o que indica direcionamento de licitação.

Segundo as investigações, parte dos recursos recebidos pela prestação de serviços à Saneago era repassada para o chefe de gabinete do então governador do Estado. Foi apurado ainda que o ex-vice-governador, José Eliton, teria utilizado, por diversas vezes, uma aeronave de propriedade de uma das empresas beneficiadas pelos contratos.

Há indícios de que as empresas também eram utilizadas para lavagem de dinheiro, uma vez que ficou comprovada transferência de valores na ordem de R$ 28 milhões entre o chefe de gabinete do ex-governador e a conta de uma das empresas.

Os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, fraudes em processos licitatórios e lavagem de dinheiro, sem prejuízo de demais implicações penais ao final da investigação.

O nome Decantação faz alusão a um dos processos de tratamento de água, em que ocorre a separação de elementos heterogêneos.


REDEPLAN aconteceu, virou notícia.


Fonte/imagem: Jornal Opção
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s