MEC lança aplicativo para emitir carteirinha digital A nova identidade | RP

A identidade estudantil digital começou a ser emitida nesta segunda-feira (25). O lançamento oficial ocorreu na sede do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Na ocasião, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, e o diretor de Tecnologia e Informação do MEC, Daniel Rogério, apresentaram o aplicativo.
A nova carteirinha garante ao aluno o benefício de meia-entrada em shows, teatros e outros eventos culturais e esportivos, sem que isso gere um custo extra. Para isso, o estudante deve estar cadastrado no Sistema Educacional Brasileiro (SEB) — banco de dados nacional de estudantes do Ministério da Educação (MEC) — e baixar o aplicativo nas lojas virtuais de celular.
O custo por cada carteira emitida será de R$ 0,15 para o governo. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, garantiu que com o novo programa do governo, o custo total será de R$ 12 milhões. Weintraub afirma que é melhor do que ocorria antes, pois, segundo ele, se mais da metade dos estudantes do Brasil emitissem carteirinhas pelos moldes antigos, o valor seria “superior a R$ 1 bilhão, quase próximo a R$ 2 bilhões”.
Antes, com base em lei de 2013, a distribuição de documentos que garantem a meia-entrada para estudantes era feita exclusivamente pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). As entidades cobram R$ 35 pela carteira, além do frete, sua principal fonte de recursos. Weintraub destacou que os alunos que quiserem manter a carteirinha tradicional poderão solicitá-las junto às instituições e pagar o valor pedido, sem limite estipulado pela pasta.
A ID estudantil poderá ser emitido oficialmente pela Associação Nacional de Pós-Graduandos, União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e no próprio portal do MEC. Além destes, é possível emitir o documento em entidades estudantis estaduais, municipais e distritais, centros e diretórios acadêmicos, diretórios centrais dos estudantes e instituições que representem os estudantes do país e que sejam reconhecidas pela pasta.
De acordo com o MEC, o aplicativo reduzirá a burocracia. A identificação nos eventos será por meio de leitura de QR Code, localizado abaixo da foto da pessoa no app. O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) é parceiro na inciativa, com o cruzamento de dados para evitar fraudes. As outras entidades poderão continuar emitindo a carteirinha, mas a do MEC é sem custo para os estudantes.
“Não tem condição de falar se tem [fraude] ou não tem. Não tem controle nenhum. Não tem transparência”, declarou.”Acho que todos os estudantes vão aderir. Será uma forma de prever fraudes, que hoje a gente não tem controle. Eu acredito na racionalidade do ser humano, que ele vai preferir um negócio bom e mais barato”, disse Weintraub. A identificação nos eventos será feita por leitura de QR Code, localizado no aplicativo logo abaixo da foto da pessoa.

Cadastro e identificação

Para estudantes de 18 anos ou mais, a identificação no aplicativo será realizada a partir de uma fotografia tanto do próprio rosto quanto da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou da Carteira de Identidade (RG) para comparação das imagens. Toda a identificação será feita pelo Cadastro de Pessoa Física (CPF), informado pelo representante da instituição no SEB, e pelo login único do governo, no site gov.br, onde constam diversos servidos do governo federal. No caso de estudantes menores de idade, será necessário que o responsável legal pelo aluno baixe o aplicativo e permita que o jovem tenha acesso. A partir daí, o estudante poderá fazer o download da ID Estudantil.
O cadastro no novo documento, previsto na Medida Provisória 895/2019, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, é feito pela instituição de ensino, pública ou particular, que deve enviar as informações dos alunos para o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que abastecem o SEB, o banco de dados do MEC. A instituições devem informar CPF, data de nascimento, curso, matrícula e o ano e semestre de ingresso dos estudantes.
Os estudantes interessados na carteirinha devem cobrar a instituição de ensino em que estudam. Os alunos podem conferir se a instituição repassou os dados ao sistema no site idestudantil.mec.gov.br. No site também é possível encontrar respostas para as principais dúvidas, além de dicas para os estudantes na hora de fazer a carteirinha.
Ao optar pela carteirinha digital, assim como nas versões físicas e digitais atuais, os estudantes aceitam o compartilhamento de dados pessoais e cadastrais com o MEC. A pasta garante que o acesso às informações será realizado com segurança, com o intuito de que o Ministério da Educação possa “criar soluções de políticas públicas com relação ao sistema de ensino no país”.

(Com informações de Correio Braziliense)

REDE PLAN aconteceu, virou notícia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s